A riqueza do vô Antônio

vô antonio
Vô Antônio, a postos em sua lanchonete “Fórmula 1”. Do lado de fora do balcão, meu pai e minha mãe, com minha irmã 

 

“Quem é honesto não fica rico”. A máxima pertencia a meu avô, seu Antônio, que a repetia amiúde, quando o assunto era dinheiro, posses ou poderes. Não o fazia com ares de revolta ou resignação, mas com o mesmo tom calmo que sua voz mansa sempre teve, o que dava à expressão um sábio caráter de constatação. Talvez em cidade pequena essas mazelas fiquem mais evidentes. É que nessas terras tudo são sobrenomes, cargos e posições sociais. Hoje, olhando em retrospecto, penso que o vô – homem forjado na vida e bom observador – tinha consciência empírica da imobilidade das classes (castas) sociais e que nunca tenha caído na conversa fiada da meritocracia.

O vô passou a metade da vida servindo mesas como garçom e, graças a suas economias, pôde comprar sua própria lanchonete, no centro da cidadezinha, onde passou a outra metade. Trabalhava com gosto, desde de manhãzinha até a noite, quando se sentava no terraço de casa, de banho tomado, com a camisa aberta e metido em chinelo de dedos, e se punha a prosear com quem aparecesse, com a mesma voz levinha. Era nítido que o dinheiro não estava no topo de suas prioridades – não por saber que nunca se faria rico, mas por priorizar valores que pouco têm a ver com o vil metal.

Na concepção do vô, o dinheiro existia para servir as pessoas – não o contrário. Não tinha ganas em acumular bens, tampouco era dado a mesquinharias. Valia-lhe mais um gosto realizado. Exemplo disso se deu em uma primavera – eu contava seis anos – em que pousou um helicóptero no parque cidade, apregoando voos panorâmicos. Devia custar uma fortuna, mas o seu Antônio não se fez de rogado: rapou as economias, pegou minha irmã e a mim, e lá fomos nós sobrevoar a cidade. Lá de cima, vi que o rio Panema vem serpenteando em curvas. Minha irmã e eu mentíamos que tínhamos localizado a rua em que morávamos e que víamos os moleques jogando bola. De quando em quando, eu olhava o vô sentado entre nós, contido, mas orgulhoso por nos dar algo de que nunca nos esqueceríamos.

Também para seu Antônio, pouco valeria ter para si, se não pudesse dividir com os iguais. Tão logo abria a lanchonete, todos mendigos do centro iam achegando aos poucos. A primeira era a Dita Xampu, uma moradora de rua que vivia carregando seus cacarecos em sacos de estopa (dizia-se que havia levado um golpe da própria família, em disputa por herança). A exemplo dos outros, ela deixava uma caneca sobre o balcão e saía esperar lá fora. Seu Antônio, então, enchia com café com leite e a devolvia acompanhada de sanduíche de presunto e queijo. Todo-santo-dia. Nunca reclamava daquelas presenças constantes e as enxergava como eram: gente. Talvez por isso, o vô não considerava nada de extraordinário ajudar a lhes saciar a fome, de modo que não expunha a própria boa ação – e talvez agora, lá de cima, esteja ralhando comigo por contar isso aqui.

O vô prezava era pelo caráter, o que para ele estava diretamente associado à educação. Não cismou em fazer poupanças ou deixar bens, mas fez questão de estudar todos os sete filhos. Achava graça quando eu chegava à lanchonete arrastando as sandálias e, em vez de aceitar os doces que ele me oferecia, pedia que me comprasse gibis na banca ao lado. De certo achasse que esse meu interesse pela leitura fosse bom presságio. Vá saber.

Ademais, o vô gostava das coisas certas, mas nunca nos levantava a mão ou a voz. A máxima repreensão que via sair de sua boca era: “Tenha modos, moleque”, dito com repetida suavidade. Era o que bastava para que eu baixasse a cabeça e corasse. Em outro causo, conta a crônica familiar que minha mãe – ainda criança – rabiscava a parede do corredor, quando foi surpreendida pelo seu Antônio, que apenas a repreendeu com um: “Bonito, hein?”. Diz minha mãe que jamais sentiu tamanha vergonha, de modo que desatou a chorar e nunca mais o desobedeceu ou fez algo que sabia que ele não aprovaria. O vô se fazia respeitar pelo exemplo, não pela autoridade.

“Quem é honesto não fica rico”. Toda vez que o assunto é dinheiro, posses ou poderes, eu me lembro do seu Antônio. Lá se vão três décadas e nada mudou. Talvez tenham se aprimorado alguns mecanismos para se manter a imobilidade de classes e novos argumentos para tentarem nos vender o embuste da meritocracia, mas, em essência, a lógica é a mesma. Os de mesma casta juntam tanto dinheiro quanto jamais darão conta de gastar numa única vida e se apegam ao poder feito vício inexorável. Não ouso dizer que sejam incapazes de dormir tranquilos, já que o código moral que lhes rege é outro. Por seu turno, apesar dos modos simples e da falta de peso no sobrenome, vô Antônio virou nome de rua. Na cidade, dizia-se que era o único a batizar logradouro público que não era rico. É que, na verdade, eles não sabiam que a riqueza do vô era de outra natureza.

Anúncios

2 comentários sobre “A riqueza do vô Antônio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s